quinta-feira, 22 de maio de 2008

ERROS ORTOGRÁFICOS


Temos a oportunidade de analisar a ocorrência de cada tipo de erro isoladamente ou, considera-lo em conjunto, ano após ano, e discutir os fatos que podem ter configurado e trajetória que seguiram, os resultados verificados as diferentes características lingüísticas que podem estar determinando a ocorrência dos erros de modo que a frequência torne significativa.
Esta análise pode nos indicar se tem áreas ou aspectos da linguagem de mais difícil compreensão do que outras.

As alterações da escrita resultam do “apoio na oralidade” que gradativamente as crianças vão compreendendo outra característica essencial do sistema de escrita que diz respeito ao fato de que em geral, não se escreve do modo como se fala.
Embora tenha uma correspondência estreita entre a pronuncia e a forma como as palavras são escritas.
Isto significa que a criança vai deixando de lado hipóteses fonéticas e vai substituindo por hipótese ortográfica.
A oralidade é organizada auditivamente, o que quer dizer que, quando a criança pensa sobre a linguagem, mais particularmente sobre as palavras, leva em consideração suas características acústicas e articulatórias, ela pensa em sons, não em letras.
Recentemente foi constatado 76% problemas ortográficos em representação arbitraria de vestibulandos.

Uma grande dificuldade da escrita está ligada a saber empregar todas as letras necessárias para representar as qualidades sonoras das palavras, muitas vezes não tem correspondência precisa entre o modo de falar e o de escrever.
Portanto podemos considerar estas etapas de “dificuldades” e considerarmos como etapas normais de aquisição da escrita.

Por outro lado eventualmente podemos encontrar estas dificuldades ainda presentes em crianças mais velhas, de séries mais avançadas, ou mesmo entre a primeira e quarta série com percentuais mais significativos quanto aos erros ortográficos indicando uma análise mais cuidadosa do conjunto de dificuldades que as crianças possam estar apresentando em relação ao aprendizado da escrita, assim necessita fazer exames especializados, como:
audiometria, timpanometria, exame oftalmológico, avaliação fonoaudiológica, psicodiagnóstico enfim o mais importante é esclarecer e sanar o impedimento da aprendizagem que a criança possa estar passando.

Paulo Goulart