domingo, 24 de maio de 2009

Como planejar por competências?

Ao se pensar num planejamento por competências faz-se necessário:
1. Esclarecer e estabelecer um conceito claro e consensuado de competências com os professores;

2. Refletir como e de que forma os alunos desenvolvem competências;

3. Decidir coletivamente os fins educativos da escola e qual o perfil de cidadão se quer formar. Definir portanto:
· o que significa preparar para a cidadania e o trabalho aqueles alunos naquela comunidade;
· quais as competências que traduzem essa preparação para a cidadania e o trabalho;
· quais os conteúdos curriculares que deverão contribuir para a constituição dessas competências.

4. Partir sempre das competências para selecionar o conteúdo curricular. Uma mesma competência pode estar ancorada em vários conteúdos, é o caso de “ler e interpretar tabelas e gráficos” que poderá ser desenvolvida em geografia, matemática, ciências.

5. Definir o tipo de organização curricular, podendo se optar:
· Por um bloco de competências comuns (as chamadas competências transversais), as quais teriam a função de integrar as disciplinas ou as diferentes áreas.
· Por tema ou por projetos integrando disciplinas ou áreas do conhecimento.

6. Ter em mente que não importa o tipo de organização curricular que se opte, o tratamento metodológico empregado, contextualizando e interligando o conhecimento é que propiciará o desenvolvimento de competências

7. Lembrar que para desenvolver competências é preciso trabalhar por problemas e por projetos, propor tarefas que desafiem e motivem os alunos a mobilizar os conhecimentos que já possuem e a ir em busca de novos conhecimentos. Competências se desenvolvem sempre em “situação”, em um contexto. Trata-se segundo Philippe Meirieu (1996) “aprender, fazendo, o que não se sabe fazer”.
Pressupõe uma pedagogia dinâmica que transforme a sala de aula num espaço privilegiado de aprendizagens vivas e enriquecedoras na qual o aluno participa ativamente na construção do seu conhecimento. O conteúdo é um meio e não mais um fim em si mesmo.
Pressupõe um currículo integrado e não mais fragmentado, norteado pelos princípios pedagógicos da transposição didática, interdisciplinaridade e contextualização.

Da Estima à Auto-Estima na Educação e Aprendizagem

Ainda que a auto-estima comece no âmbito familiar, produto da relação da criança com seus pais ou responsáveis -e ainda antes do nascimento, na mente dos pais- , essa continua no âmbito escolar, na relação com o docente e o grupo de colegas.

Este processo não é linear, onde um dá e o outro recebe; surge da interação entre ambos. Quando o aluno é aceito e compreendido, devolve os mesmos sentimentos para o professor, que também se sente reconhecido, valorizado. Assim se gera um círculo de bem estar, onde a tarefa é gratificante para ambos e o clima é propício para o desenvolvimento das potencialidades.
Quem se sente amado pode aceitar-se, adquirir o senso do seu próprio valor, descobrir e realizar o potencial para o qual está dotado. O amor no âmbito educativo, na classe, torna possível captar de cada um o mais profundo, a sua verdadeira essência. Através do amor é possível vislumbrar o potencial, o que ainda não foi revelado e o que será exibido. Descobrir os talentos possibilita a quem é amado a descoberta, o fazer-se conhecer.

Muito já foi dito a respeito da estima do aluno e isso sem dúvida é importante. E quem cuida dos educadores? Eles também precisam ser amados pelo aluno e reconhecidos socialmente pelo prestígio do seu trabalho. Às vezes, quando o aluno não aprende, o docente pode considerar-se incompetente, se atribui este fracasso apenas ao seu próprio trabalho. Ao não sentir-se reconhecido, pode retrair-se, desconectar-se afetivamente e inibir sua criatividade para buscar novas alternativas, piorando assim a relação. Ele não é o responsável absoluto, ambos são protagonistas.

A confiança, a segurança, o senso do próprio valor, se aprende mais pela presença do que pela docência. É importante que os mesmos educadores tenham uma auto-confiança realista, pois acima de tudo, se transmite mais pelo que se é, pelo que se vive do que pelo que se diz. São símbolos da auto-estima: - Usar os talentos e as aptidões para amar e estudar.

- Ter um grau mínimo de auto-aceitação e de orgulho próprio.

- Ter auto-confiança realista.

- Reconhecer as necessidades e valorizar as vitórias.

- Fazer valer os direitos e aceitar suas limitações.

- Ser autêntico. - Não esconder-se nem mostrar-se com exagero.

- Ter ideais de acordo com as possibilidades de sucesso.

- Ter desejos e projetos pessoais.

- Relacionar-se livremente com os outros, com autonomia e independência.

Como se manifesta a baixa auto-estima:

Geralmente está associada a pessoas envergonhadas, inibidas, temerosas, que não se animam a competir nem a destacar-se. Ainda são símbolos de baixa auto-estima, certas atitudes que aparentemente revelam o contrário: como querer chamar sempre a atenção, tentado ser o centro, sentir a necessidade de ganhar todo o tempo, ainda que valendo-se de trapaças, exibir um perfeccionismo exagerado ou depender da aprovação externa. O que uma criança precisa para desenvolver a auto-estima:

A criança precisa:

a) Educadores e companheiros que a aceitem como ela é, que a aprovem e aceitem, para que ela possa descobrir-se e desenvolver-se em sua plenitude. Estas atitudes nutritivas e positivas, geradoras de experiências de satisfação precisam também de limites, frustrações adequadas a cada momento do desenvolvimento, que permitam à criança interiorizar as funções que antes eram realizadas pelos educadores.

b) Docentes que ofereçam segurança, apoio, sustentação e que sirvam de modelo, fonte de força, da qual possa participar. A idealização dos professores é necessária em um determinado momento; porém, logo é preciso romper com esta idealização, para facilitar o acesso às crianças; ao serem humanizadas, valorizadas de uma maneira mais realista, as crianças sabem que não podem nem possuem tudo. Da auto-afirmação surgirão as ambições de uma pessoa e da admiração, os ideais. A vivência dos próprios talentos e habilidades é o que torna possível que as ambições se unam a ideais realistas.

c) Sentir-se um entre seus pares, membro de um mesmo grupo. Do que depende um maior ou menor grau de auto-estima O grau de auto-estima depende da capacidade de sustentar a distância entre o ideal de si mesmo e a realidade, do descobrimento dos dons e da aceitação das limitações. Os sentimentos de auto-satisfação surgem quando existe uma relação fluída entre o que se almeja como ideal e o que se é na realidade.

Também depende do perfeito equilíbrio entre talentos, ambições e ideais.

Auto-estima e ideais:

Se os ideais são razoáveis, uma pessoa é capaz de trabalhar eficientemente para alcançá-los; disto surgem sentimentos de satisfação para consigo mesmo pela tarefa realizada e pelo objetivo alcançado. Se os ideais são por demais elevados, de tal maneira que não existe a possibilidade de alcançá-los de forma eficiente, surgem sentimentos de inferioridade e ineficácia. Quanto menor for a brecha entre o ideal e a possibilidade de alcançá-lo, menor será a ansiedade, maior será a auto-estima.

É humano experimentar sentimentos de insatisfação e de inferioridade; ninguém tem a possibilidade de alcançar todos os ideais. Sempre há um resquício de insatisfação que funciona como força motriz, que gera uma tensão constante, dando lugar ao progresso que abre espaço para cada qual buscar, por si mesmo, a maneira de realizar-se, livre e criativamente, integrando a força de seus desejos com as possibilidades que o mundo externo oferece.

Algumas sugestões para enriquecer a auto-estima:

Ser bons modelos, com boa auto-estima, alegres e entusiastas.

Valorizar os aspectos positivos, dizer o bom e óbvio, não repreender sempre.

Lembrar que cada qual é único, e assim, descobrir e fazer saber o que lhe agrada.

Estimular a auto-confiança, que faça o que é capaz de fazer, com experiências de sucesso. Não fazer em seu lugar nem superproteger: deixar espaço para escolhas.

Estabelecer metas de acordo com suas possibilidades, sem exigir mais do que é possível. Escutar e aceitar os sentimentos, mesmo que negativos, as limitações, bem como as ações derivadas destes sentimentos. Para que alguma coisa mude, ame seu aspecto menos amado por ela. É a própria planta que sabe como tem que crescer. Ela atingirá sua melhor forma, se receber as condições para isso. A quem deseje ampliar o tema do desenvolvimento da auto-estima e da aprendizagem da comunicação consigo mesmo e com os outros, pode consultar as propostas de atividades para educar e prevenir do livro de Gladys Brites de Vila e Ligia Almoño de Jenichen ComunicArte, Buenos Aires, Editora Bonum. Gladys Brites de Vila, Bacharel em Psicologia e Psicopedagogia. Fonoaudióloga. Psicóloga Social. Professora da rede pública. Dirigiu os Centros da Linguagem do ex-Conselho Nacional de Educação, criou um modelo grupal multidisciplinar de investigação, assistência e prevenção das dificuldades da aprendizagem, que era integrado por pais, docentes e crianças.

LIVROS PUBLICADOS

Manual de Juegos para los más pequeños. Co-autora Marina Müller. Editora Bonum. Buenos Aires (1986)

101 Juegos para educadores: Padres y docentes. Co-autora Marina Müller. Editora Bonum. Buenos Aires (1989). 5ª Edição

Un lugar para jugar: El espacio imaginario. Co-autora Marina Müller. Editora Bonum. Buenos Aires (1990). 5ª Edição

Juegos para dar a luz y acunar. Co-autora Marina Müller. Editora Bonum. Buenos Aires (l990). 5ª Edição Manual de estimulación temprana. Co-autora Marina Müller. Editora Bonum. Buenos Aires (l991). 5ª Edição