sexta-feira, 5 de setembro de 2008

A VEZ DA SÍNDROME DE BURNOUT

Chafic Jbeili
Cada tempo (conjunto de anos ou de décadas) tem a sua fama marcada por algumas características, às vezes positiva como, por exemplo, os “anos dourados” que marcou a década de 60 e às vezes negativa como, por exemplo, a década de 40 marcada pela grande guerra mundial e suas conseqüências devastadoras no mundo todo.
Desde os primórdios da história do homem a tensão e os conflitos entre pessoas permeiam os relacionamentos e determinam muito do comportamento neurastênico, pois não há nada mais desgastante e consumidor de energia humana do que os conflitos, tanto internos quanto externos. Por outro lado, o isolamento e a evitação do contato com humanos para prevenir conflitos pode causar o sentimento de solidão. Aquilo que se apresenta aparentemente como solução para paz entre pessoas também se mostra extremamente nocivo à saúde da pessoa.
O jeito é aprender a lidar com pessoas e a controlar o estresse, seu e dos outros! Talvez este seja o segredo de uma vida saudável consigo e com o outro. Interessante é que tendemos a pensar que o problema sempre está “no outro”, quando às vezes pode estar também em nós mesmos, nas nossas idiossincrasias, em nossas manias, em nossas neuroses e principalmente em nossos hábitos gerais. Mude seus hábitos e terá uma nova vida!
O contexto de estresse diário que vivemos é extremamente propício para o desenvolvimento de certos “fungos” psicológicos, entre eles a burnout: a síndrome do estresse crônico. Estar envolvido em relacionamentos, tarefas e ambientes estressantes por uma quantidade de tempo superior ao que cada um pode suportar ou consegue lidar pode transformar a pessoa em uma espécie de “zumbi”, ou seja, para não entrar em colapso a pessoa passa a agir automaticamente sem qualquer envolvimento emocional. Isso no ambiente de trabalho é um balde de água fria na produtividade e no clima organizacional.
A dinâmica do mundo moderno favoreceu o surgimento de muitas doenças e transtornos mentais, em especial no ambiente de trabalho e agora é a vez da Síndrome de burnout mostrar a cara. Pouco se fala, pouco se estuda, pouco se previne este mal, pois na maioria das vezes o estresse da lida diária é tão grande que mal podemos notar a erva daninha que cresce silente em meio as poucas rosas que crescem em nosso jardim da vida.
Contudo, medidas sutis podem ser tomadas para evitar que a burnout se desenvolva. Tenho vários materiais disponibilizados para estudo e reflexão sobre o assunto e agora está sendo disponibilizado o curso “Stress docente: a Síndrome de burnout em professores – aprenda identificar e prevenir”, que você pode realizar a distância no conforto de sua casa e com certificação 40h/a pelo Portal Psicopedagogia Online e Fundação Aprender.
Mais do que um curso a distância, esta é uma oportunidade que você tem para aprender a lidar com o seu estresse e com o estresse do outro, melhorando significativamente sua qualidade de vida, além de se prevenir da Síndrome da burnout, a qual batizei de Síndrome do Zumbi, pois é exatamente nisso que ela transforma a pessoa, em seu quadro de sinais e sintomas.

Chafic Jbeili - Psicanalista e psicopedagogo