quarta-feira, 31 de outubro de 2012


Ludo Educa Jogos

Jogos objetivam a alfabetização e o combate a dengue


Dois jogos do projeto Ludo Educa Jogos, que têm como coordenador geral o professor Elson Longo do Instituto de Química (IQ) da Unesp de Araraquara e coordenação de computação do professor Thiago Jabur do Departamento de Computação da Universidade Federal de Goiás (UFG), foram classificados, recentemente entre os finalistas no Festival de Jogos da Brasil Game Show (BGS 2012), na categoria "Jogos Educativos".

São eles: “Contra a Dengue” e o “Ludo Primeiros Passos”, que receberam segundo e terceiro lugar em premiação realizada no dia 11 de outubro.

O primeiro é um jogo para educação em relação à boas práticas para erradicar o mosquito da dengue, em que um personagem tem por objetivo passar de fases ao eliminar os focos do mosquito em um cenário interativo cheio de desafios.

Além disto,  segue a linha de ação e conta com 9 fases diferentes que, prendem a atenção do jogador e favorecem a conscientização - o que é muito importante nessa temática.

Já o segundo, “Ludo Primeiros Passos”, foi lançado há 3 meses e objetiva o auxílio na alfabetização por meio de um tabuleiro em formato de estrada no qual o jogador precisa completar desafios para conduzir seu carro pelo trajeto.

Cada um desses desafios é formado por pequenos e diferentes jogos em que é necessário, por exemplo, ligar sílabas para formar uma palavra de acordo com sua imagem relacionada. Atualmente existem mais de 180 imagens no jogo que garantem sempre um novo desafio para o jogador. 


Ele faz parte da série Ludo Educativo, que é composta por jogos on-line de tabuleiro que auxiliam no aprendizado do aluno, por contemplar várias disciplinas do Ensino Fundamental, Médio até o pré-vestibular.

O “Ludo Primeiros Passos” e o “Contra a Dengue” tem apoio do Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC), da Fapesp, e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN) do CNPq, além da colaboração e orientação do Departamento de Química da Unesp e parceria da empresa spin-off Aptor Games, formada por alunos de mestrado e graduação em computação.

O grupo já obteve êxitos em outras premiações, como explica Longo: “nossa mais importante meta é promover a difusão de conhecimento com o uso dos jogos educativos, mas ficamos muito felizes e orgulhosos em participar e obter sucesso em premiações na área, como o caso de termos ficado entre os 3 primeiros lugares no evento Games for Change de 2011, e agora novamente”.

De acordo com o professor Jabur esta é uma área de desenvolvimento complexo e que demanda muito trabalho. “Nossos esforços são direcionados em muitas frentes com uma equipe multidisciplinar, por isso temos que prezar pela educação acima de tudo, mas sem esquecer que temos que entregar jogos divertidos com ótima interação e recursos”.

Além disso, o grupo trabalha em parceria com uma série de professores que desenvolvem o banco de questões, selecionam palavras e sugerem ideias para o funcionamento dos jogos. Por fim, no campo audiovisual é importante ressaltar o trabalho conduzido por Ênio Longo e Leopoldo Longo, responsáveis pelo desenho de cenário e personagens - elementos esses fundamentais para boa interação dos jogadores.

Além do “Contra a Dengue” e o “Ludo Primeiros Passos”, o grupo desenvolve outros 16 jogos eletrônicos, todos gratuitos e educativos, para alunos a partir dos primeiros anos de escolaridade incluindo os da alfabetização. Para jogá-los basta acessar o endereçowww.ludoeducajogos.com.br .
 Ludo Educa Jogos Jogos objetivam a alfabetização e o combate a dengue Dois jogos do projeto Ludo Educa Jogos, que têm como coordenador geral o professor Elson Longo do Instituto de Química (IQ) da Unesp de Araraquara e coordenação de computação do professor Thiago Jabur do Departamento de Computação da Universidade Federal de Goiás (UFG), foram classificados, recentemente entre os finalistas no Festival de Jogos da Brasil Game Show (BGS 2012), na categoria "Jogos Educativos". São eles: “Contra a Dengue” e o “Ludo Primeiros Passos”, que receberam segundo e terceiro lugar em premiação realizada no dia 11 de outubro. O primeiro é um jogo para educação em relação à boas práticas para erradicar o mosquito da dengue, em que um personagem tem por objetivo passar de fases ao eliminar os focos do mosquito em um cenário interativo cheio de desafios. Além disto, segue a linha de ação e conta com 9 fases diferentes que, prendem a atenção do jogador e favorecem a conscientização - o que é muito importante nessa temática. Já o segundo, “Ludo Primeiros Passos”, foi lançado há 3 meses e objetiva o auxílio na alfabetização por meio de um tabuleiro em formato de estrada no qual o jogador precisa completar desafios para conduzir seu carro pelo trajeto. Cada um desses desafios é formado por pequenos e diferentes jogos em que é necessário, por exemplo, ligar sílabas para formar uma palavra de acordo com sua imagem relacionada. Atualmente existem mais de 180 imagens no jogo que garantem sempre um novo desafio para o jogador. Ele faz parte da série Ludo Educativo, que é composta por jogos on-line de tabuleiro que auxiliam no aprendizado do aluno, por contemplar várias disciplinas do Ensino Fundamental, Médio até o pré-vestibular. O “Ludo Primeiros Passos” e o “Contra a Dengue” tem apoio do Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC), da Fapesp, e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN) do CNPq, além da colaboração e orientação do Departamento de Química da Unesp e parceria da empresa spin-off Aptor Games, formada por alunos de mestrado e graduação em computação. O grupo já obteve êxitos em outras premiações, como explica Longo: “nossa mais importante meta é promover a difusão de conhecimento com o uso dos jogos educativos, mas ficamos muito felizes e orgulhosos em participar e obter sucesso em premiações na área, como o caso de termos ficado entre os 3 primeiros lugares no evento Games for Change de 2011, e agora novamente”. De acordo com o professor Jabur esta é uma área de desenvolvimento complexo e que demanda muito trabalho. “Nossos esforços são direcionados em muitas frentes com uma equipe multidisciplinar, por isso temos que prezar pela educação acima de tudo, mas sem esquecer que temos que entregar jogos divertidos com ótima interação e recursos”. Além disso, o grupo trabalha em parceria com uma série de professores que desenvolvem o banco de questões, selecionam palavras e sugerem ideias para o funcionamento dos jogos. Por fim, no campo audiovisual é importante ressaltar o trabalho conduzido por Ênio Longo e Leopoldo Longo, responsáveis pelo desenho de cenário e personagens - elementos esses fundamentais para boa interação dos jogadores. Além do “Contra a Dengue” e o “Ludo Primeiros Passos”, o grupo desenvolve outros 16 jogos eletrônicos, todos gratuitos e educativos, para alunos a partir dos primeiros anos de escolaridade incluindo os da alfabetização. Para jogá-los basta acessar o endereço www.ludoeducajogos.com.br .

Objetos de Aprendizagem


O uso de Objetos de Aprendizagem como recursos pedagógicos no auxílio ao Ensino

Softwares educacionais trabalham diferentes 
conceitos e componentes curriculares


Desde o surgimento da internet no Brasil para fins acadêmicos, no final dos anos oitenta do século passado, é crescente o número de brasileiros com acesso a rede e que utilizam-na para compartilhar conhecimento.

Com a chegada desta nova forma de comunicação mundial, as investidas em torno dela também aumentaram e a educação acompanhou este avanço ao desenvolver, por meio de pesquisadores, softwares educacionais que trabalham diferentes conceitos e componentes curriculares, que  ficam disponíveis on-line para download ou execução por meio da rede voltados a estudantes público-alvo da Educação Especial, ou não.

É o caso dos Objetos de Aprendizagem (OA), que nada mais são do que recursos pedagógicos digitais de auxílio ao Ensino, que podem e devem ser usados e reutilizados na escola.

Segundo a Profa. Márcia Debieux, responsável pelo conteúdo do terceiro módulo do curso de Tecnologia Assistiva (TA) da Universidade Aberta do Brasil (UAB) em parceria com a Unesp, é muito importante que os educadores conheçam as funcionalidades e façam uso dos OA para desenvolver determinados conteúdos de forma atrativa, dinâmica e muitas vezes lúdica.

“Esperamos apresentar aos professores como trabalhar com estes recursos, destacar a importância de sua mediação no trabalho para a obtenção dos resultados esperados, além de oferecer a oportunidade de verificarem os resultados em sua prática pedagógica”, relata Debieux.

No curso da UAB, três Objetos de Aprendizagem são estudados: Fazenda RivedScrapbook e Viagem Espacial – todos desenvolvidos por pesquisadores da Unesp. O primeiro aborda conteúdos de matemática dos anos inicias do Ensino Fundamental.

O segundo, de acordo com a professora-autora do módulo, é semelhante a um álbum de fotografias, e oferece aos professores a possibilidade de trabalhar com inúmeros conteúdos como a história de vida dos estudantes. “Assim, por meio de um diagnóstico, este educador poderá organizar e sistematizar uma prática pedagógica que vá ao encontro das necessidades ou dificuldades que estes estudantes podem apresentar ou não.”

Por último, o Viagem Espacial trabalha os diferentes níveis de alfabetização.

De acordo com a cursista Andressa de Vargas Rodrigues, estes recursos com animações ajudam o aluno a compreender melhor o assunto tratado. “Eu já conhecia e utilizava o Fazenda Rived, mas os outros dois não. O de alfabetização é realmente muito bom, pois propõe diversas atividades que levam a reflexão sobre o sistema de escrita”, comenta.

Este contentamento de Rodrigues é também partilhado por Clairen Angélica Santiago de Oliveira, também aluna do curso de TA. Para ela, estes três recursos são excelentes para se trabalhar com alunos de diferentes séries ou ciclos, e é possível planejar o uso em todas as disciplinas, pois os temas apresentados sempre se conectam. “Como, por exemplo, o Fazenda Rived, que além da Matemática trabalha Geografia por tratar de localidade, zona rural, zona urbana etc.”

Oliveira vai além, e comenta que é necessária uma mudança de pensamento também, pois muitas vezes os educadores se utilizam dos materiais básicos e esquecem que há a possibilidade de buscar e usar softwares como estes. “Depois de conhecer e manipular estes recursos, penso que posso sempre incluí-los nos meus planejamentos e seminários. Acredito, também, que para uma efetiva aprendizagem é necessário que haja prazer, interesse e alegria no processo de Ensino, que podem ser levados aos meus alunos com o uso dos OA”, finaliza.

CURSO DE TECNOLOGIA ASSISTIVA

Já no terceiro módulo, o curso de TA apresentou outros temas como Repositórios Educacionais Digitais, entre eles o Banco Internacional de Objetos Educacionais (BIOE) e o Portal do Professor.

Segundo Debieux, um dos objetivos principais desta etapa é fazer com o que os professores-cursistas conheçam outros Objetos Educacionais, como vídeos, simulações, os OA etc.

Já no dia 8 do mês que vem, o último módulo do curso será iniciado com o tema “Trabalho com Projetos”.